Artigos
Câmara de Bocaina do Sul
Câmara de Campo Belo do Sul
Câmara de Cerro Negro
Câmara de Otacílio Costa
Câmara de Rio Rufino
Câmara de São José do Cerrito
Câmara de Urubici
Câmara de Urupema
Câmara do Painel
Coluna DR.Manoel
Cultura
Editais
Editorial
Educação
Esportes
Estamos de Olho
Fique Sabendo
Geral
Meio Ambiente
Negócios
O Tema é...
Polícia
Política
Saúde
Tecnologia
Trânsito
 

Dia Mundial de Combate a Mortalidade Materna é marcado com seminário
Cadastrado em: 3/6/2013

Tamanho da letra

| Lages |

Lages sediou nos dias 27 e 28 de maio o II Seminário Gestão em Rede: A Vigilância da Morte Materna, Infantil e Fetal. Participaram do encontro realizado no Map Hotel, mais de 50 profissionais da saúde para discutir projetos em rede, a fim reduzir os riscos da mortalidade materna no estado. O evento foi promovido pela Secretaria de Estado da Saúde em parceria com a FAPESC por meio do Projeto TO13075/2012-3.
Representantes das 15 Regionais de Saúde do Estado, representantes da área de Saúde dos 18 municípios da Serra, coordenadores de Saúde da Mulher e de Saúde da Criança, representantes da Rede Cegonha no estado e do Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul, da Secretaria Especial de Saúde Indígena e do Consorcio Intermunicipal de Saúde estiveram presentes.

Dia Mundial de Combate a Mortalidade Materna

Em 28 de maio, Dia Mundial de Combate a Mortalidade Materna foi criado o Comitê Regional de mortalidade, para fortalecer a vigilância epidemiológica no contexto dos municípios e regiões.  A doutora em saúde pública, enfermeira Maria de Lourdes de Souza falou da importância da vigilância epidemiológica para a morte materna e da implantação do Comitê Regional na cidade. “Com esse comitê poderemos estudar as mortes, verificar as tendências em termos de causa, característica e medidas que tinham que ser adotadas. Teremos também evidencias clinicas para melhorar o atendimento dessas pacientes”, destacou.
O número mais atualizado de óbitos de Mortalidade Materna que se tem no Brasil é de 2011, quando cerca de 1.500 mulheres perderam a vida. Santa Catarina não está no pelotão da frente deste problema, mas teve 26 óbitos em 2012, distribuídas por diferentes regiões do Estado – inclusive na região serrana. De acordo com estudo feito sobre Mortalidade Materna em Santa Catarina entre 2009 e 2012, quase 90% dos casos ocorrem por causas obstétricas e dois terços (64,7%) podiam ser evitadas. “Um dos motivos desses números catarinenses é a ausência dos Comitês Regionais de Mortalidade Materna. Queremos com o seminário e a criação do Comitê diminuir cada vez mais estes índices”, comentou Maria de Lourdes.
Para evitar esse tipo de morte, o Ministério da Saúde criou em 2011 a Rede Cegonha, que está sendo implantada com recurso do SUS e, aos poucos, vai chegando a todas as regiões do país. Fundamenta-se nos princípios da humanização e assistência, onde, entre outras metas, as mulheres têm direito ao planejamento reprodutivo seguro e saudável.

Fonte: Liana Fernandes

Compartilhe esta página: Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no MySpace

 

Nome:
E-mail:
 
 
ANO 13 - Nº 164 - SETEMBRO / OUTUBRO 2014
nike shox hogan scarpe calcio Tiffany christian louboutin Scarpe Adidas superstar Scarpe Reebok Adidas Scarpe nike sb Scarpe nike air force air jordan adidas scarpe Tacchi Scarpe da donna Scarpe Scarpe Adidas adidas Scarpe Scarpe Scarpe hogan oakley nike air presto new balance nike air max adidas Scarpe nike free
Todos os direitos reservados à Jornal O Palanque - Produzido por WLSistemas
nike shox hogan scarpe calcio Tiffany christian louboutin Scarpe Adidas superstar Scarpe Reebok Adidas Scarpe nike sb Scarpe nike air force air jordan adidas