Artigos
Câmara de Bocaina do Sul
Câmara de Campo Belo do Sul
Câmara de Cerro Negro
Câmara de Otacílio Costa
Câmara de Rio Rufino
Câmara de São José do Cerrito
Câmara de Urubici
Câmara de Urupema
Câmara do Painel
Coluna DR.Manoel
Cultura
Editais
Editorial
Educação
Esportes
Estamos de Olho
Fique Sabendo
Geral
Meio Ambiente
Negócios
O Tema é...
Polícia
Política
Saúde
Tecnologia
Trânsito
 

Secretários explicam mudanças em bolsas de estudos para servidores
Cadastrado em: 19/7/2013

Tamanho da letra

| Lages |

Os secretários municipais de Administração, Pedro Marcos Ortiz, e o da Fazenda, Mateus Lunardi, compareceram à Câmara de Vereadores na noite de 16 de julho onde responderam perguntas dos legisladores a respeito do decreto 13.921/2013, que efetuou mudanças no auxílio escolar concedido aos servidores públicos do município.
Convocados pela vereadora Aida Hoffer, os secretários explicaram que as modificações vieram limitar o modo sob o qual os auxílios eram concedidos. “Devido a grande demanda, o município tem dificuldade de manter em dia as mensalidades junto às instituições de ensino. (...) O decreto vem para adequar, criar normas e cumprir com a demanda que o Município possa ter”, explicou Ortiz. Atualmente, R$ 200 mil ao mês do dinheiro público são destinados para este fim, favorecendo 500 servidores. Os repasses estão em dia, segundo a Fazenda.
 
Somente funcionários efetivos terão direito à bolsa

A principal mudança é que, a partir do novo decreto assinado pelo prefeito Elizeu Mattos, somente funcionários efetivos do município terão direito a bolsa de estudos e, mesmo assim, se corresponder a um curso da área de atuação e limitado a um teto de R$ 500. O valor varia para baixo à medida que atinja 80% do valor do curso ou 50% do salário do servidor, o qual será definido pelo valor mais baixo a ser subsidiado.
O secretário de Administração afirmou que a medida visa coibir atuais disparidades como variações entre R$ 130 e R$ 1.650 do benefício, ou então, casos de servidores que recebem bolsa maior do que o próprio salário. No entanto, Ortiz garantiu que os servidores comissionados que já dispõem deste benefício continuarão a tê-lo, desde que adequados às novas regras. “Contratados são importantes, mas podem ser demitidos a qualquer tempo. Como é a sociedade quem paga com seus tributos, esta posição precisa ser diferenciada e valorizada (o efetivo de acordo com seu concurso)”, argumentou Pedro Marcos.
Questionado se a atual administração está menosprezando o ensino superior e a capacitação dos servidores, Mateus Lunardi lembrou que a Constituição determina que o dever do município é prover apenas o ensino fundamental, sendo os demais incumbência dos estados e da União. “Não quero dizer que não iremos incentivar o servidor que queira se aprimorar, mas temos que adotar critérios para usar com responsabilidade os recursos públicos, criando regras mais justas, com mais proporcionalidade. Estamos na gestão pública para combater os privilégios”, concluiu o secretário da Fazenda.

Fonte: Texto: Everton Gregório - Foto: Elisandra Pandini

Compartilhe esta página: Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no MySpace

 

Nome:
E-mail:
 
 
ANO 13 - Nº 164 - SETEMBRO / OUTUBRO 2014
nike shox hogan scarpe calcio Tiffany christian louboutin Scarpe Adidas superstar Scarpe Reebok Adidas Scarpe nike sb Scarpe nike air force air jordan adidas scarpe Tacchi Scarpe da donna Scarpe Scarpe Adidas adidas Scarpe Scarpe Scarpe hogan oakley nike air presto new balance nike air max adidas Scarpe nike free
Todos os direitos reservados à Jornal O Palanque - Produzido por WLSistemas
nike shox hogan scarpe calcio Tiffany christian louboutin Scarpe Adidas superstar Scarpe Reebok Adidas Scarpe nike sb Scarpe nike air force air jordan adidas